Textifique

9 dicas para quem escreve trabalhos acadêmicos

Por Sinvaldo Júnior

Pegando carona em outros posts com dicas (para quem escreve e revisa textos acadêmicos; para quem escreve; para quem revisa), eis que crio mais um: este exclusivo para quem escreve trabalhos acadêmicos:

  1. Jamais utilize siglas em títulos. O seu leitor não é obrigado a saber o significado daquela sigla (deve vir apenas após o seu significado por extenso). Você entenderia esse título, leitor: “Ampliação vocabular: glossário de textos do LD de LP”?
  2. E por falar em títulos… Revise cinco, dez, trinta vezes o seu título para que nele não haja nenhum erro de gramática. Imagine a banca, o seu orientador, o seus leitores dando de cara com um erro logo no título do seu texto? #trágico
  3. Retificando: jamais utilize siglas sem o seu significado por extenso, antes ou entre parênteses.
  4. Os destaques a serem utilizados nos títulos dos capítulos/seções é opção do autor: maiúscula, negrito, itálico, etc. Uniformize, no entanto, todos os títulos com, por exemplo, maiúsculas e negrito nas seções primárias; maiúsculas e sem negrito nas seções secundárias.
  5. Segundo as normas da ABNT, as seções (primárias, secundárias, terciárias) devem se diferenciar de alguma forma: maiúscula, negrito, itálico, etc. No entanto, em alguns casos não dá para saber se se trata de seção primária, secundária ou terciária, uma vez que não há nenhuma numeração nem diferenciação entre uma e outra. O revisor e os leitores do seu texto precisam saber o que é capítulo ou subcapítulo. Numere-os. Diferencie-os.
  6. Apesar de ser bastante aceito o uso da primeira pessoa do plural (nós) em um texto acadêmico, recomenda-se o uso da forma impessoal. Por exemplo: “Conclui-se que esta pesquisa será fundamental para uma melhoria no processo ensino-aprendizagem da Língua Portuguesa”, em vez de “Concluímos que…”. OBS: No entanto, caso você e seu(sua) orientador(a) tenham chegado a um acordo quanto ao uso da primeira pessoa do plural, aí OK.
  7. Conferir citações que não possuem todas as informações necessárias. Se a citação for direta, é preciso colocar entre aspas, em itálico ou com recuo (dependendo da norma seguida) e destacar o autor (ou sobrenome), ano de publicação e número da página.
  8. Mesmo em caso de citação indireta (ou seja, uma paráfrase), é preciso dar crédito ao autor e fonte utilizadas. Caso esse procedimento não seja seguido, você pode ser acusado de plágio.
  9. Verificar se todas as teses e dissertações referenciadas no texto foram publicadas em material impresso. Caso tenha sido publicada em material eletrônico, é preciso citar a fonte: Por exemplo: “SOUZA, Leno José Barata. (Sobre) vivências na Manaus da borracha: outras histórias. Caminhos da História – In: Revista Discente do Programa de Mestrado em História. 1, vol. 3, Universidade Severino Sombra, Vassouras, 2007, s/n. Disponível em: http://www.uss.br/web/hostsites/revistaeletronican4/arquivos/leno.asp. Acesso em: 30 nov. 2009.”

 

Gostou deste artigo?

Cadastre seu e-mail no campo abaixo para receber as atualizações do blog!

Enter your email address:Delivered by FeedBurner

Share on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest
04/08/2015
Desenvolvido por Mídia360 © textifique. Todos os direitos reservados.