Textifique

“Mosaico de rancores”, de Márcia Barbieri

TRECHOS:
“Todo amanhecer é um desvendar de coisas velhas e inéditas”.
 .
“O nosso amor é um caixão de madeira podre que jamais deveria ter sido aberto”.
 .
“É preciso desmanchar para renascer. Não ando morrendo, apenas surgindo para outras evidências”.
.
“A barba crescida lembra um comunista que não reparte nem o amargo do próprio cuspe”.
.
“A morte faz sentido somente para o florista”.
.
“Eu te quero bem desde antes do Big Bang e até o final dos planetas”.
.
“Nosso amor é uma estrofe esquecida de acontecer. Poesia marginal em boca burguesa”.”Amores não morrem, são sacrificados”.

“Amá-lo é mergulhar com os bolsos cheios de pedras num rio verde e calmo…”

“Ando tropeçando na imagem suja e imperfeita que fez de mim. Eu me enxergo com seus olhos e não gosto do que vejo”.

“O início de tudo é também o fim de uma história trágica”.

“A vida só é engraçada para os lunáticos”.

“A fidelidade é viajar em círculos de tédio”.

“Não existe nenhuma criatura reta que não guarde bombas atômicas no olhar catatônico”.

Share on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest
07/07/2015
Desenvolvido por Mídia360 © textifique. Todos os direitos reservados.